Pontos Cantados

Pontos Cantados – a Musicalidade da Umbanda
 ngoma
Em todos os lugares e em todos os terreiros de Umbanda haverá música. a música é a oração, o grito de socorro, o suspiro de alívio, o pedido de perdão, é o sopro do agradecimento. Cantar na Umbanda é o meio pelo qual todos se conectam com Deus, com os Orixás, com a natureza e seus elementais, com os espíritos e com as energias astrais.
A música pode ser vista em diversas religiões. Chamado ora de canto sacro, canto sagrado, mantra, gospel, etc.  Pouquíssimas são as crenças que de alguma forma não se utilizem da musicalidade. Os mantras nas religiões e filosofias orientais, as músicas sacras nas igrejas, a música gospel nas evangélicas, e mesmo no espiritismo a música suave de fundo para que exista uma maior introspecção.
Na Umbanda um dos fundamentos pilares e impossíveis de serem descartados são os pontos cantados. A famosa curimba que é composta pela voz, pelas palmas e pelo atabaque. É essa curimba que promoverá a unidade de pensamento no ambiente, levando todos os presentes a elevarem seus pensamentos na mesma direção, funcionando como um elemento de concentração. Mas também é um elemento de evocação. É pela curimba que evocamos os reinos e os orixás, é pela curimba que propiciamos a vinda das entidades, já que estas nos elevarão o pensamento e a vibração.
A própria ressonância que os pontos cantados emitem em nosso crânio propiciam uma maior elevação e uma maior aproximação dos nossos guias. Combatem a dispersão mental e as fugas. Auxiliam os médiuns a entenderem o ritual e a criarem disciplina mental e de postura, além do que ativa os chacras facilitando as incorporações. Trazem energias que são fundamentais na magia, buscando energias purificadoras, ou reabilitadoras, e assim por diante. Serve como vibração que auxilia na composição das energia naturais, energias astrais e o ectoplasma na concretização da magia e do trabalho.
Enfim é a própria religião na ação do verbo.
Poderemos ver terreiros que não utilizam atabaques, que não aceitam palmas, mas todos, absolutamente todos não poderão prescindir dos pontos cantados.
Assim ninguém pode se furtar de praticar, de se dedicar e de cantar em todas as giras. Uma vez o Sr. Caboclo Ogum Megê em um dos poucos momentos em que a nossa gira não estava cantando afirmou que os médiuns que cantam estão praticando a caridade, pois juntos estão criando a harmonia e aquele que não canta, faz ato egoísta, pois sobre diversos pretextos deixa de ajudar a elevar a vibração de todo o ambiente ao passo que não externa a força dos pontos cantados.
Assim da próxima vez que estivermos em uma gira, não vamos nos abster, não vamos omitir, vamos entender e participar muito ativamente deste fundamento da nossa UMBANDA.

Deixe uma resposta